Discriminação de autistas é crime!

5 minutos para ler

Esse é um ponto muito triste, revoltante e delicado ao mesmo tempo. Por mais que algumas pessoas se sintam muito sensibilizadas ao problema que afeta a pessoa com TEA e sua família, outros tantos ainda agem com indiferença e até com discriminação. Porém, muitos não sabem que discriminação de autistas é um crime.

O que diz a lei?

A Lei 13.146 de 06/07/2015 foi criada para promover em igualdade de condições todos os direitos e liberdades fundamentais da pessoa com deficiência.

Não estamos falando somente de agressões, da mesma forma, vejam o que esta descrito nos artigos 4º e 5º desta mesma lei:

Art. 4º Toda pessoa com deficiência tem direito à igualdade de oportunidades com as demais pessoas e não sofrerá nenhuma espécie de discriminação.

Art. 5º A pessoa com deficiência será protegida de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, tortura, crueldade, opressão e tratamento desumano ou degradante.

O artigo 88 deixa bem claro que “não tem moleza” para quem discrimina uma pessoa deficiente. Portanto, isso inclui as pessoas com autismo, seja ele em qualquer grau. Veja só o que diz esse artigo:

Art. 88.  Praticar, induzir ou incitar discriminação de pessoa em razão de sua deficiência:

Pena – reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.

§ 1o  Aumenta-se a pena em 1/3 (um terço) se a vítima encontrar-se sob cuidado e responsabilidade do agente.

§ 2o  Se qualquer dos crimes previstos no caput deste artigo é cometido por intermédio de meios de comunicação social ou de publicação de qualquer natureza:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa.

“Traduzindo…”

  • Se a pessoa com deficiência for alvo de discriminação, a pessoa que discriminou terá uma pena de 1 a 3 anos de reclusão e multa. O crime não é somente quem pratica, mas também quem induz ou incita. 
  • Se a pessoa for o próprio cuidador ou responsável (por exemplo: um professor, uma babá etc), a pena é acrescida em 1/3
  • Se o crime for cometido por qualquer tipo de rede social ou publicação de qualquer tipo, a pena é de 2 a 5 anos mais multa. Nesse caso, ainda existe a possibilidade de responder um inquérito policial e ser recolhido todo o material discriminatório.

Lembrando que a ação discriminatória precisa ser em razão da deficiência. Por exemplo: chamar ou induzir alguém a chamar um autista de “estranho”, “louco”, “burro” sabendo da sua deficiência é crime.

O que devo fazer no caso de discriminação de autistas?

Caso você perceba que o direito da pessoa com TEA não está sendo respeitado, ou que ela está sofrendo algum tipo de discriminação, você pode primeiro deixar claro para a pessoa (e testemunhas, se for o caso) que trata-se de uma pessoa autista, ou seja, explicando que ele tem o direito de ser respeitada e que existe uma lei contra esse tipo de atitude.

Caso não haja nenhuma mudança de comportamento por parte do agressor, acione a Polícia Militar pelo telefone 190 ou denuncie pelos canais abaixo.

Da mesma forma, se preferir, comparecera a uma delegacia de polícia para registrar o fato diretamente com o delegado de plantão.

Enfim, gostaríamos que isso nunca acontecesse com nossos queridos autistas, mas infelizmente nem tudo acontece da forma como desejamos, mas não estamos sozinhos, a lei nos protege e devemos utilizá-la.

Denunciando o crime

O crime de discriminação, físico, individual, virtual ou coletivo, pode e deve ser denunciado.

A denúncia pode ser feita de várias formas:

  • telefone 100 , direitos humanos;
  • site do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos;
  • app direitos humanos para android ou iOS;
  • e-mail do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, ouvidoria@mdh.gov.br

Problemas com vizinhos

Todas as crianças precisam brincar.

É brincando que elas aprendem e se desenvolvem, mas sabemos que crianças com autismo podem fazer barulho um pouco mais que a maioria.

Muitas famílias tem recebido multas, enfrentado reclamações e até sofrido com brigas entre vizinhos, entretanto, isso não pode ser admitido sob qualquer hipótese.

Os autistas tem direito de serem quem são, com ou sem barulhos característicos, portanto, causar problemas para um autista por causa disso, é considerado discriminação, crime!

Para resumir, preparamos um material muito esclarecedor para que seja entregue às pessoas que estão enfrentando este problema.

Primeiramente, você pode fazer o download aqui, imprimir e entregar ao “VIZINHO RECLAMÃO”.

Em seguida, caso as reclamações, afrontas, ameaças não cessem, procure a delegacia mais próxima da sua casa.

Leia também:

Medicação gratuita para pessoas com autismo
Vagas de emprego para autistas
Como aproveitar os parques temáticos em Orlando com um autista

Print Friendly, PDF & Email
e-book gratuito - direitos do autista
Posts relacionados

139 thoughts on “Discriminação de autistas é crime!

  1. Bom dia!
    caso ocorra dentro da casa do pai (separado), a descriminação realizada pela atual mulher do Pai, este é informado, mas mesmo assim continua a ocorrência, o autista é levado para um psicólogo e este constata o sofrimento que está sendo infligido ao mesmo.
    A psicóloga chama o pai, a mãe e o autista (ele tem 40 anos) para uma conversa. O pai não acredita.
    o laudo da psicóloga serve como prova? Eu como mãe não tenho como registrar a ocorrência com fotos, filmagens ou outro tipo de materialidade.
    o que fazer?

    1. Olá
      Peça o laudo do profissional e compareça a delegacia mais próxima.
      Explique tudo que está ocorrendo e o delegado saberá como conduzir o caso.
      O pai e a mulher como cuidadores podem ter a pena agravada.
      É bem provável que se isso se repetir o pai perca o direito a visitas do filho.
      Respire, não brigue, documente tudo no laudo e vá a delegacia.
      Conte sempre conosco.

    2. Hj passei por o pior constrigimento
      Fefrento um bar na esquina d minha cá ..hj nesta uma mãe com 3 criança e o irmão ..já não nós gostamos desde 1 vês a anos …hj meu filho com 4 anos com transtorno do autismo se aproximou das crianças dela e não pude fazer nada…era crianças …até quando a mãe bêbada foi até. A me e disse com muita grosseria pra a
      Eu tirar meu filho da mesa q estava constrangindo os filhos dela .
      Já tinha pensando em tirar mas pensei q seria ingnorancia d minha parte fiquei sem chão descutir ameacei fui ameaçada aind

  2. Bom dia
    Sou mae de uma autista de 5 anos,moro em apt e ultimente venho sofrndo muito com vizinhos reclmando dos choros da minha filha..ja acionaram ate conselho tutelar … minha filha nao pode chorar que trnho a sensação se quem alguém vem bater na minha porta..me sinto que estou vivendo sob ameaça e nao sei o que fazer…me ajudem…o que devo fazer .
    Att
    Antonia susana

    1. Ola
      Você deve primeiro de tudo, respirar.
      Você não tem culpa do autismo da sua filha.
      Você não tem controle sobre o choro dela.
      Caso tenha alguma reclamação por escrito, tire cópia do laudo da sua filha e explique a situação.
      Caso algum vizinho venha reclamar, só diga que se você pudesse controlar isso, já teria feito.
      Que se é complicado para eles, imagina para você que precisa controlar as crises da sua filha e ainda atender vizinhos que se incomodam.
      Caso chamem o conselho tutelar, melhor pra você, porque vão verificar o autismo de sua filha e provavelmente falem para os vizinhos não incomodarem mais vocês.
      Não brigue, não vale a pena.
      Conte sempre conosco.

  3. Olá, me chamo Brayendson, sou de Teresina – PI. Este Blog foi uma luz para mim, pois estou trabalhando no meu TCC o tema “Autismo e o Mercado de Trabalho na Perspectiva dos Direitos Humanos” na minha cidade. Estou fascinado pelo tema, confesso que as informações postadas aqui são de suma importância. Queria solicitar que postem mais informações no que tangem ao mercado de trabalho, quais são as suas maiores dificuldades etc.

      1. meu filho é autista moderado.Ele esta no 9°ano do ensino fundamental numa escola pública municipal. de horário 7:30 as 14:30.Foi pedido a escola liberarem 30 minutos antes do horário para fazer terapias.E não permitiram.como devo agir?
        desde ja agradeco.

        1. O ideal seria adaptar o horário da terapia para após a aula, mas imagino que vc já tenha tentado fazer isso.
          Solicite por escrito, justifique, leve uma declaração da clínica informando o horário que ele tem terapia.
          Se nada acontecer, procure a Secretaria de Educação com todos os documentos apresentados.

  4. Oi. Bom dia doutora!
    Tenho um filho com Sindrome rara KBG e autista. Gostaria de saber como posso fazer a curatela para deixar a tutela, no caso de nossa falta?

  5. Oi sou mãe de um casal de gêmeos autistas e moro por cima de um take-way e restaurante . Quando não estão lá clientes ou estão a fazer limpeza ou outra coisa põem música nos no primeiro andar ouvimos tudo . O meu marido já lhes disse mas continua igual. Todos os dias nos levantamos às 6 h da manhã eles um bocado mais tarde 6.45h. Às 21h já querem descanso para irem dormir e quando começa a música. À alguma lei do ruído que meta o Autismo? Obrigada

  6. boa tarde tenho 2filhas autista unico vo por parte paterna,nao gosta delas e ainda me falou que nao pediu netos… fico muito triste pois sao unicas que ele tem! gostaria de saber oque devo fazer,, e descriminacao:

      1. Boa noite tenho um filho com autismo asperger, ele está sofrendo preconceito no estágio sendo ameaçados de perder o estágio,isso cabe processo?

          1. Meu filho é autista grau 3 ,e a diretora da escola falou q ia chamar o conselho tutelar para ele e a policia tbm ,o que devo fazer é discriminação ?

          2. Se estão falando isso pra ele, é uma forma de intimidação e até exposição dele frente aos amigos.
            Converse com a Secretaria de Educação, caso não se resolva, pode procurar a delegacia.

  7. Olá tenho um filho de 8 anos que tem o diagnóstico de retardo mental, e sofro muito pois às pessoas que vivem direto e indiretamente conosco são preconceituosas não aceitando e não incluindo o meu filho para nenhum tipo de convívio tipo jogar bola,participar de festinhas ou até mesmo de ser ignorado por meus vizinhos, ou até mesmo já ouvie várias piadas como ele é doente,maluco, doido e fico muito chateada sem saber que atitudes devo tomar,pois moro próximo à uma comunidade e temo pela vida de minha família.

  8. Minha filha autista não está frequentando a escola. São 7 anos de exclusão, desenvolveu fobia escolar. O que a afastou não foi agressão física ou verbal. Foi o isolamento, a indiferença, o descaso com que foi tratada ao longo desses anos por seus colegas. Não era convidada nem para os trabalhos em grupos, bem para brincar no Recreio. Sofri vendo minha filha sempre sozinha na entrada, no recreio e na saída das escolas. Ela sempre correndo atrás das coleguinhas e elas a ignorando. Foi muita discriminação, até que ela não suportou mais, sua fragilidade psicológica se abalou. Hoje é atendida em casa , com base legal para esses casos. Mas seus prejuízos emocionais ? Quem se responsabiliza? Não é crime?

    1. Ela precisa de acompanhamento psicológico.
      Sim, é crime, mas será necessário você comprovar que a escola colaborou para a exclusão ou que não fez nada para que isso acontecesse.
      Se você tiver provas, pode acionar a escola, sim.

  9. Olá doutora. E quando a situação envolve as crianças? Meu filho que hoje tem 5 anos era alvo de insultos e até agressão física dos “coleguinhas” da escola. O bullying era tanto que ele passou a repudiar tudo relacionado a escola. Tanto que tive que trocar a escola. Hoje ele está muito melhor, foi muito bem acolhido na nova escola.

    1. Enquanto a crianca está na escola é responsabilidade da escola evitar e coibir o bullying.
      Documente sempre, para ter provas futuras.
      Envie e-mail com copia de recebimento ou cartas com protocolo.

  10. E quando o próprio profissional olha pra mãe de uma autista e diz tô desligando sua filha do tratamento porque ela não responde ao tratamento devido a agitação , e quando a mãe questiona ela simplismente Olha e diz o problema da sua filha não tem nada a ver com autismo e sim que ela e mal educada e falta de educação …. Me senti a pior mãe do mundo tô acabada , por mais que eu me esforce acho que fracassei como mãe de uma autista não sou uma mãe especial , Amo minha pequena e a educo da melhor forma que sei , mas fracassei não consegui ajuda lá

    1. Isso é triste, procure outro profissional.
      Nós mães, sempre aprendemos, mas um profissional capacitado acolhe o paciente e a família.
      Se você tiver como comprovar o que aconteceu, pode acionar o profissional, mas independente disso, respire fundo e procure outro profissional.
      Se esse nao acredita no desenvolvimento da sua filha, não tem mais nada que ele possa fazer.

  11. Eu tenho um video que mostra minha filha sendo excluida do circulo onde os alunos e professores estão , justamente na hora da apresentação da salinha dela , ela é colocada em uma cadeirão de alimentação e deixada de fora sozinha no canto , oq eu faço nessa situação??

    1. Marque uma reunião na escola, juntamente com a orientação e solicite informações sobre o que aconteceu naquele dia.
      Se puder levar a psicologa ou o profissional que acompanha a criança seria interessante.
      Sempre pergunte o que aconteceu, antes de acusar a escola e deixe claro sobre a importância da inclusão.
      Caso seu filho necessite de um professor auxiliar, veja nossa publicação com todo o passo a passo.

  12. Olá , fui vítima de fake onde foi fácil indentificar a pessoa, uma ex do meu marido quando eu não tinha tempo ou queria ser mulher, esposa . Eu precisava saber o que meu filho tinha . Estava na fase de aceitação, terapias multidisciplinar e vários neuros até o laudo de Asperger ou Autista Leve chegou. Meu filho Léo aos 8 foi espancado na escola por 3 alunos e ninguém nos ajudou . A escola protegeu os agressores … Essa pessoa ,uma professora sabia . Sabia que meu marido não é o pai biológico do Léo, e que meu marido o criava desde os 1 e 6 meses. Por isso, nunca deixamos de ser amigos e presentes para os meninos , são dois . Léo de 15 autista e Davi de 12 anos . A professora Vanessa Dutra, lotou a minha pág de Xingamentos , baixarias . Aí, mandou áudios zombando do meu filho, do fato de não ter seu genitor. O Léo nos escondeu que sabia por anos . É um assunto que não gosta e o trás crises severas . Ela chama meu marido de ” otário por sustentar filhos dos outros que Ainda veio Estragado ” … Eu só fui Denunciar por isso . A delegacia de crimes de informática só deu injúria e ainda nada aconteceu . Denunciei em maio . Mas, haviam outros fake com fotos da escola do Léo. Fiquei com medo . Pois a tal dizia para conhecidos que queria acabar comigo. E , fiquei preocupada com meus filhos . E nenhuma delegacia aceitou, disse que não podiam dar proteção alguma . O Léo , tive que Mostrar ,contar ,pois ele a conhece . Pra evitar que fosse na escola , sei lá . O diretor amado do Centrinho Niterói RJ , referência em inclusão, aceitou o meu pedido. E pediu uma atenção maior aí Léo. Ficou de alerta e viu perigo na citação e nos fake com fotos da escola. Nenhum órgão achou crime . Fake não é crime … Não acho !!
    Em fim ,o Léo fez crises , saiu de casa e tentou se jogar de uma ponte , o tiraram e ele disparou se batendo e gritando ” estragado não presta ”
    ” O mundo seria melhor sem mim. Ninguém gosta de autista ” … Ele havia passado por bullying na escola e resolvi ir na Comissão dos Direitos Humanos. Ele quis fazer uma denuncia , falou do fake , bullying e na importância de ajudar o agressor. Aí tive a idéia de uma PL Protetiva aos Autistas e demais necessidades especiais,com a pena de tratamento psiquiátrico para auxiliar o agressor.
    A professora que tem uma empresa de recreação Alpha Joy , não se retratou , nem em nome da empresa . Pois para me proteger eu mostrei o que ela fez. E fotos do fake e a mesma piscina da casa da Vanessa Dutra e do fake Amanda Carvalho onde usa meu sobrenome além de outra indentidade.
    Em fim, tô louca , medicada para levantar da cama . Pedi demissão por vergonha , ela me expôs. Mas, a dor maior de falar que o Léo é um Estragado, que não tem seu genitor. Que seu pai é otário por cuidar dele ,ainda mais sendo … O que vou conseguir quando eu for chamada ?!
    Será só crime de injúria e cesta básica para a Covarde pagar ?!
    O escrivão incluiu que ela fez ofensas ao meu filho , que era Autista .
    Mas, o que faço ?! Que passos darei ?!
    Pois eu poderia ter perdido meu moreno , tão doce … Nunca foi agressivo, não tomava medicação . Agora está . Em um ano pra cá. O que tenho que fazer para esse ser baixo pagar ?!

    1. Voce precisa ter provas de tudo isso.
      Se comseguir comprovar a lei é dura, mas a prova de que isso efetivametne aconteceu é essencial.
      Na nossa publicacao sobre discriminacao, tem todas as penas previstas em lei.
      Talvez a Defensoria Pública possa te ajudar tambem.
      Mas lembre-se de provar tudo, pq se nao conseguir provar, vc ainda pode ser processada por ela (por injúria, calúnia e difamacao)

  13. Bom dia..
    Tenho um filho autista e no ano passado fui fazer a matrícula no colégio adventista da minha cidade e recusaram qdo viram que ele era inclusão…estava com a minha cunhada e no meio da conversa ela perguntou… meu filho que não é inclusão,se eu quiser fazer a matrícula teria vaga? A resposta deles foram sim…porém pra inclusão não teria vaga e sim uma fila de espera…como devo proceder?
    Tenho algum tempo máximo pra processar a escola? Pois isso aconteceu em outubro do ano passado..desde já agradeço

  14. Uma “amiga” faz piadas frequentes de autistas, estranho, né? deixe-me explicar. Na nossa escola, há uma sala específica de pessoas com deficiências, e, a maioria é autista. Até ali, tudo bem, só que ela vive apontando e rindo da cara deles, mas só das pessoas com deficiência. Ela incita os outros a fazer o mesmo e, quando alguém faz alguma coisa errada, ela diz: “Para de ser autista”

    Antes a gente era muito amigas mas, eu realmente não consigo aguentar esse comportamento e me dá enjôo o fato de pensar que ela consegue que outras pessoa achem graça, ora pois, fazer piadas de deficiências não é ruim até que a piada se torne pejorativa e insultante. Tenho um irmão autista e aprendi desde pequena a entender pessoas com “deficiência” (não gosto de falar assim, pois não há muita diferença para mim) e, talvez seja um exagero mas estou em um ponto que quase grito com ela no meio da aula. Já falei milhares de vezes pra parar esse comportamento mas ela não muda, não sei o que fazer, deveria falar com algum responsável? Aliás, tenho 14 anos então não há “muita” coisa que possa fazer, outra pergunta seria se poderia ser feito um processo, (não que eu inicie um, mas acho importante saber se qualifica ou não)

    1. Olá, você escreve muito bem para uma moça de 14 anos, parabéns!
      Acho importante comunicar a escola.
      Aproveite essa sua habilidade para escrever e conte tudo o que tem acontecido através de uma carta.
      Peça para que seus pais façam uma também informando que isso não será mais admitido e caso aconteça novamente, a menina e a escola serão responsabilizados legalmente.
      Envie essas 2 cartas e peça para a escola assinar uma cópia, comprovando que receberam.
      Você está corretíssima, isso é inadmissível e como está acontecendo em ambiente escolar, a escola é responsável por isso.
      Nos conte como foi, ok?
      Se quiser falar conosco, pode nos chamar pelo Instagram.

  15. Bom dia me chamo juliana,e de uns dias pra ca o zelador vem perseguindo meu filho ao chegar no predio onde eu moro meu filho comecou a grita dai o zelador falou pra o meu filho em rapaz nao pode fazer barulho e outro dia eu vinha chegando do mercado com duas sacolas pesadas dai eu entrei elesoltou a minha mao e saiu correndo dai justamente o zelador ia entrando e meu filho so apertou o botao pra subir o zelador chegou pra mim e falou como se eu tivesse culpa e me disse se acontecesse de novo ia me notificar so porque ele pertou o botao pra subir e falou que ia me notificar na frente de de duas pessoas que ia chegando

    1. Se ele fez isso por causa do autismo do seu filho, é discriminação.
      Faça um comunicado oficial ao condomínio informando que seu filho é uma pessoa com autismo e que algumas vezes ele tem um comportamento diferente.
      Assim caso haja alguma reclamação, eles já tem registrada a situação dele.

  16. O que devo fazer perante essa abordagem e de meu filho calar a boca pra nao fazer zoada eu tou sem motivacao de morar neste apt me deem uma luz pra que ele pare de perseguir meu filho

    1. Faça um comunicado oficial ao condomínio informando que seu filho é uma pessoa com autismo e que algumas vezes ele tem um comportamento diferente.
      Assim caso haja alguma reclamação, eles já tem registrada a situação dele.”
      Caso isso persista, procure uma delegacia e registre a discriminação.

  17. Meu filho foi diagnosticado com autismo leve,e na escola tem sido um desafio,o barulho o incomoda muito e diz que quando reclama é ignorado e o xingam,mas se outro coleguinha reclama,é atendido. ..também os colegas disseram para ele que ele é egoísta. ..porque não sabe compartilhar em trabalho em grupo. ..ele tenta ajudar e é atrapalhado…o mandam sair porque “ajuda mais quem não atrapalha “a professora não age como mediadora. ..só me reclama que meu filho atrapalha a aula. ..nem parece que ele faz parte da turma…já chegou a ter crise e chorar…e foi dito que alunos naquela série não tinham mais idade para chorar,senão teriam que voltar para o maternal…e ele saiu da sala e foi para o maternal…só fiquei sabendo porque aos poucos fiz ele falar sobre o seu dia…enfim…como posso ajudá-lo a se defender…porque quando os colegas ficam irritados dão patadas nele,e virá uma bola de neve

    1. Isso com certeza é totalmente discriminatório.
      Documente isso, conte o que aconteceu e informe que caso aconteça novamente, você irá tomar providências legais.
      Coloque no papel, em 2 vias, protocole na escola.
      Se a escola se recusar a receber, coloque na carta que eles se recusaram e envie por sedex (assim vc tem como provar que enviou).
      Ele tem professor auxiliar? Converse com o médico dele se ele necessita ou não.

  18. Ola, boa tarde.
    Tem um filho de 2 anos..foi diagnosticado com autismo com 1 ano e 10 meses..
    Ontem fui com ele na loja de assistente da Samsung…e meu filho jogo a bolsa do homem do meu lado no chão…ele não gostou..ficou chamando ele de mal educado ,mal criado..eu pedi desculpas e falei que ele tem autismo..mas o homem continou chamando ele de mal educado e disse que eu tinha que amarrar ele.chorei demais..não soube o que fazer..e ninguém na loja me deu assistência.

    1. Já nos falamos, não é?
      É absurdo e totalmente discriminatório.
      Pena que vc não pegou os dados dele na hora.
      Infelizmente isso acontece muito ainda, gente ruim tem em todo lugar.
      Espero que não tenha próxima vez, pq sabemos como isso nos destrói por dentro.

  19. Minha filha estuda em um colégio onde também estuda um garoto de 16 ou 17 anos considerado autista e que diariamente constrange as moças porque passa suas mãos nas partes intimas das meninas. Qual a atitude que deve ser tomada pelos alunos e pela direção da escola? A quem cabe a responsabilidade de conter e impedir que as moças não sejam bolinadas e constrangidas?

  20. Por favor nos ajude!meu filho é autista ,com laudo…mas a a escola não está ajudando como deveria….aumentando as crises dele…colocaram uma mediadora que nunca trabalhou com autista e nem sabe sobre o assunto….só pra dizerem que colocaram…quando ele precisa sair da sala por causa do barulho e ansiedade e vai ao banheiro para ficar só até melhorar….forçam a abertura da porta mesmo ele pedindo para o deixarem em paz…já o seguraram pelos braços a ponto dele se debater e aproveitaram da situação para dizer que ele estava agredindo…o que meu filho disse que não, que o estavam irritando dizendo que se quebrasse algo o pai dele teria que pagar…isso a mediadora e diretora….e que iriam chamar a polícia. ..meu filho chegou em choque em casa…ele não consegue ficar na sala e não quer ver a cara da mediadora…foram apenas dois dias que ela ficou e ele está assim….o que fazer? quando ele tenta voltar pra sala é impedido porque fecham a porta da sala como se ele fosse um monstro violento e isso causa mais raiva e ansiedade nele…o grau dele é leve e entende o que fazem…ME AJUDEm por favor…o que fazer para comprovar danos psicológicos nele,porque é muita maldade o que fazem e dizem quando o deixamos lá ele estava bem e depois acontece as crises…quando eu ou meu marido íamos na escola acompanhar só percebíamos o normal dele as estereotipias…a escola tem muito barulho por causa da reforma,cortar geram…e ele usa o a bafador de ouvido…as mudanças de professora e conteúdo o deixam ansioso…mas o irritam quando o seguem a ponto dele ter ataque de ansiedade,e apagar….Como agir nesse caso para comprovar o que fazem com ele…porque ele não está bem,não é questão só de trocar de escola e sim valer os direitos dele de ser tratado com dignidade e respeito…se valer da lei…Como provar tudo isso?

    1. Você pode conversar com eles sobre isso.
      Também pode procurar a secretaria de educação local, ele tem direito a um profissional devidamente qualificado (alguém que já tenha recebido treinamento em autismo).
      Pode procurar a delegacia informando o que aconteceu, mas é necessário comprovar e laudos psicológicos ajudam na comprovação.
      Independente dessas medidas, eu já procuraria outro local para recebe-lo de forma adequada.

  21. Oi, sou Jefferson tenho 32 anos. Formado em educação física bacharelado. Sou autista.

    Eu, estou sendo discriminado num Club próximo de casa até por pessoas conhecidas e tem um diretor Conhecido.

    Já enviei vários currículos e nunca me responderam.

    Tenho boas qualificações.

    O que eu posso fazer, presiço da sua opinião.

    Obrigado…

    1. Oi Jefferson, não responderem ao currículo, não significa que estão te discriminando.
      Você pode solicitar uma resposta deles, mas eles não são obrigados a te responder.
      Entretanto, se te tratarem mal, te humilharem, fizerem piada com vc, aí procure uma delegacia e relate o fato.

  22. boa noite ,! Desde que meu nasceu , moro nesse endereço . A casa vizinha sempre teve inquilino e nunca tive problemas com o meu de 5 anos brincando quintal. ELE e autista .Mudou uma nova familia ,( vizinho), esta reclamando com meu de ele estar brincando como outra criança normal , , e pedindo pra calar a boca . Estou indignada e não sei o que fazer?

    1. Compareça a delegacia de polícia mais próxima da sua cada, isso é discriminação, art 88 da LBI.
      Se você mora na cidade de São Paulo, existe uma delegacia de crimes contra pessoas com deficiência na R. Brg. Tobias, 527 – Centro Histórico de São Paulo, São Paulo.

  23. Olá, bom dia. Eu sou autista recém diagnósticada, porém antes desse diagnóstico, tive um de esquizofrenia paranoide com ausência de faculdades mentais. Quando recebi o novo diagnóstico, muitas pessoas da minha família ainda insistem em me tratar de acordo com o laudo errado, e ainda por cima me chamam de hipocondríaca pelo simples fato de eu explicar que meu antigo laudo estava errado. Inclusive quando tratava com o antigo psiquiatra, cujo o mesmo me deu esse laudo, fui questiona-lo sobre meu CID, Ele me insultou, me humilhou, e ainda me disse que eu tinha que tomar os remédios a risca, caso contrário eu deveria ser internada num sanatório. Não sei se posso processar ele pelo erro cometido no passado.

  24. Bom dia doutora!

    Sou advogada e tenho um cliente que quer entrar com ação contra uma mae de filho autista que deixa o adolescente durante a madrugada correr no apartamento, jogar videos games gritando, ir tomar banho cantando alto e gritando. O casal não consegue mais dormir. A mãe ja foi notificada mas alega que o filho tem autismo em grau baixo.

    O incomodo é sempre da 1h até as 5hs. O que pode ser feito nesse caso.

    O menino vai a escola, academia e outros lugares sozinho, fica em casa sozinho. A ma~e é encontrada sempre no sofá no telefone e não atende as crianças.
    O que posso fazer dentro da Lei??
    grata

    1. Acredito ser essencial uma mediação.

      É um típico caso de conflito entre vizinhos.

      A criança ter autismo, não a autoriza a fazer barulho no meio da madrugada, existem muitas estratégias comportamentais.

      Claro que existem casos em que o controle de comportamento é muito mais complexo, mas terá que ser comprovado por laudos médicos e terapêuticos.

      Se você tem como comprovar que a mãe fica ao telefone e não presta atendimento aos filhos, ajudará muito no seu caso.

  25. Bom dia. Faço parte de um grupo de whatsapp em que constantemente alguns integrantes usam a denominação “autista” para chamar alguém de burro. Geralmente usam para chamar alguem de fora do grupo, um jogador de futebol que está jogando mal por exemplo. Eu tenho um filho autista, mas nem todos do grupo sabem, e me sinto ofendido. A lei abrange este tipo de situação?

    1. Meu neto, autista, 4 anos.. foi discriminado na academia em que ele faz natação. A professora disse que não podia dar aula para ele porque já tinha uma outra aluna. Detalhe quando eu cheguei na academia não tinha ninguém. O que fazer? Já pedi o cancelamento do contrato mas quero que isso nunca mais aconteça com outra criança!!

      1. Talvez em outro horário facilite, mas a professora não pode negar aula pra ele especificamente, a não ser que negue para qualquer outro aluno.
        Se negou por causa do autismo, pode ser considerando discriminação.
        Você pode denunciar.

  26. Olá Dra
    Minha filha e portadora do Tea, tentei fazer um convênio para ela, para começar os tratamentos, porém quando preenchi a entrevista médica e falei da minha filha, eles começaram a pedir laudo, passar a documentação pelo setor médico, dizendo que o perito tem que avaliar, tento de todas as formas falar com a vendedora do plano pra saber se vão fazer o convênio para minha filha, ela sempre da desculpa e isso já faz mais de 10 dias, depois ela me bloqueou no WhatsApp. Gostaria de saber se posso mover uma ação contra o convênio por eles estar com preconceito contra a minha filha. Obrigada

  27. Boa noise, sou vizinha de um adolescente autista e que infelizmente grita o dia todo. Isso antes mesmo da pandemia. Menus pais sao idosos e um deles se recupera de uma cirurgia. Entendo a situacao, mas onde acaba o direito e comeca o do outro? Tambem Tenno ataque de panico e os gritos me fazer ficar desesperada. Como devemos proceder?

    1. Tente conversar com a família.
      Existem muitas estratégias de controle de comportamento.
      É importante que a pessoa com autismo esteja sendo acompanhada por profissionais, terapeutas.
      Caso essa pessoa não esteja fazendo qualquer acompanhamento, pode ser considerado abandono, e os responsáveis podem ser chamados pelo conselho tutelar.
      Entendo que isso pode ser muito incômodo, mas muitas vezes isso pode fazer parte da essência dele, da forma dele se manifestar.
      Tentem conversar com a família.

  28. Gostaria de fazer uma pergunta tenho uma amiga ela teve uma deficiencia no passado e ea familia dela jogou ela na rua e falou para todos que ela foi porque quiz e ninguem acreditou nela e pior quando estes parentes eram chamados par ajuda la os orgaos publicos iam a casa deles os familiares dela mentiao sobre ela xingavam tiravam o corpo fora para nao ajudar e a prejudicaram muito perantes os orgaos publicos ela ficou mau vista e e quando ela sofreu violencia domestica por parte do ex companheiro os mesmos orgaos publicos a trataram como mentirosa e surtada sem estar pois estravam mau orientados sobre minha amiga e nao fizeram nada por ela ela chegou a apanhar da cunhada e ser estranvulada pelo ex e a palavra dela nao valeu pois os dois sabiam dos problemas delas e ai que faziam mesmo e ela mi disse que eles faziam pois nao seria pegos e nao foram mesmo ela chegou a ser espulsa de uma casa pelo c##as que a tratou como louca surtada pois ela teve coragem de denunciar e ainda accontece na ezcola dos ####os delas pois a discriminacao e preconceito e livre e ocorre pois ela nao tem protecao nenhum pois ainda esta na mesma cidade que ocorreu o fato

    1. Neste caso, é necessário procurar a autoridade policial local.
      Procure a Delegacia da Mulher, ali você poderá receber um atendimento mais adequado.
      Também é interessante procurar um posto de saúde para você ser acompanhada por um psicólogo, um psiquiatra.
      Muitas vezes, o uso de medicação pode auxiliar e uma avaliação de um profissional pode te ajudar a provar estas coisas que vc relata.

  29. Oi depois de muito tempo sofrendo sem saber AS CAUSAS fui diagnosticado aos 42 anos de idade com autismo leve (antigo ASPEGER) sofro muito com barulho de vizinhos situações de rua e ate musica de supermercado! Gostaria de saber mita coisa que acho que nem caberia aqui … mas parabens pelo trabalho!

    1. Oi Fernando
      O diagnóstico ainda que depois de adulto ajuda muito.
      Existem alguns abafadores de ruídos bem baratinhos, podem ajudar neste incômodo.
      Há um fone de ouvido que é mais caro, claro, mas ele anula ruídos externos, é mais uma opção.

  30. Bom dia! Hoje nem consegui dormir de tanto que choro. Sou mãe solo, tenho 3 filhos, o mais velho tem 20 anos e autista, faz acompanhamento com psiquiatra. Moramos em condominio. E meu filho por mais que eu tente evitar, as vezes causa problemas de xingar os vizinhos e perturbar o sossego deles, as vezes está um amor, mais se vê um vizinho o olhar com diferença ele foca e derrepente vai e ofende os vizinhos. Ja fui chamada para conversar com sindico intermediando. Ja expliquei a condição do meu filho. Eles dizem entender, mais querem que eu não deixe mais ele descer la em baixo sem mim por causa que eles não querem ser incomodados por ele. Eu não abandono meu filho jamais, é direito também dele de ir e vir. E eu estou sempre por perto. Não trabalho. E quando percebo alguma atitude de meu filho, chamo atenção e o chamo pra vir embora pro apartamento. Só que ele se sente sufocado num apartamento pequeno. Não tenho condiçoes por não trabalhar pra cuidar dele. E ainda tenho que cuidar dos outros irmaos dele que também requer minha atenção. Acabo que nos sentimos culpados e olhados com indiferença. Pois esses vizinhos vêm falar comigo e querem que eu impeça meu filho de perturba-los e até pedem pra ele nem passar perto deles. Eu entendo o lado deles. Todos querem ter sossego. E sofro demais porque me sinto incapaz de controlar meu filho. E como ele não é mais uma criança não consigo pegar no colo e trazer pra casa. Ele é grande e forte. Então todos tem medo dele. Nos sentimos oprimidos e sufocados por olhares que quando passam por nós são desviados sabe. Doi demais. Eu como sou sozinha pra cuidar deles sofro demais. E tento controlar meu filho dentro do apartamento, a medica me passou medicação para que nesses casos ele fique menos impulsivo, mais dai ele se vira contra mim, porque não quer dormir, me desrespeita, briga comigo também, fala que eu estou tratando ele mal, que estou prendendo ele e impedindo ele de fazer o que quer. Quer sair pra rua sozinho, e fala como se estivessemos judiando dele em casa. E tudo que eu e os irmaos queremos é protege-lo. Porque na rua e em todos lugar as pessoas olham pra ele e nao sabem que ele é autista, e como ele sai sem mim, eu não consigo ficar correndo atraz dele na rua, porquê ele fala que quer ter liberdade, e tenho que cuidar dos irmaos também. Temos muito medo dele ser agredido na rua ou maltratado. Não sei mais o que fazer. Nunca negligenciei de cuidar dele. Inclusive muito me preocupa pois toma medicamentos certinho, procuro sempre leva-lo na psiquiatra. Faço tudo por eles, sou dona de casa, com orgulho e mãe especial ainda sem valor algum. Me sinto excluida da sociedade, porquê nunca nos olham com bom olhar. E ainda quando falo que meu filho é autista, a maioria desconhece do assunto e o tratam como se fosse pessoa normal. E me falam que ele pode ser o que for mais ele é muito esperto, porquê faz as coisas erradas e depois fica pedindo desculpas. Então eles acham que meu filho sabe o que está fazendo. E quer que ele seja repreendido ou eu o conduza pra que esses acontecimentos não se repitam. Me sinto muito mal. Não sei discutir, nem brigar, mais choro muito por ver os olhares de indiferença que fazem conosco. Viram a cara quando meu filho passa. Já pediram pro meu filho nunca mais falar com eles. Sinto me culpada. Se estou errando. E acabamos chamando atençao demais de meu filho em casa, e piorando tudo. Porquê não sabemos o que estamos fazendo. Se erramos ou acertamos. Ou se eu perdi completamente o controle, o que devo fazer meu Deus. Me olham como uma coitada. E pro meu filho como se ele fosse um criminoso. Nada pode fazer. Muito difícil. E medo de ainda mesmo vivendo e tentando o tempo todo o melhor por meus filhos, ainda ser acusada de abandono de incapaz, ou perturbação de sossego, sendo que tudo que queria era que meu filho fosse compreendido, e alguns vizinhos passaram por situaçoes com meu filho, mais souberam lidar, com carinho, e paciência, e hoje nao tem mais problemas. Mais outros não, gritam com ele, querem tratar de igual pra igual sabe e. ainda sabem das leis, e eu que não entendo nada, só sei cuidar deles, sinto muito mais muito medo. Não é correto uma pessoa normal querer discutir com uma especial né, inclusive autista, estou correta? Devem vir até a mim, que sou responsavel por ele, certo? Mais não eles querem afronta-lo, e amedronta-lo. Ele fica cada vez mais nervoso, ansioso e com medo. Me ajudem por favor.

    1. Oi Kate
      Sim, vc tem razão, é muito difícil, te entendemos.
      O desconhecimento da população em geral é muito grande e infelizmente isso causa ainda mais discriminação.
      Quanto aos vizinhos, envie para eles o material que disponibilizamos no site sobre problemas com vizinhos.
      Não sei se vc tem convênio, mas talvez seja interessante pedir para a psiquiatra encaminhar seu filho para treino de habilidades sociais, isso pode ajudar muito nessas questões do dia a dia dele.
      O seu medo dele sofrer algum tipo de problemas sozinho nas ruas é totalmente cabível, isso pode acontecer.
      Seria interessante ele ter alguma identificação de que é autista, isso facilita o “trato” com outras pessoas, ainda mais no caso de “mal entendidos”.
      Por último, mas não menos importante: caso tenha algum problema com vizinhos, pode procurar registrar o BO por discriminação.
      Seu filho não pode ser impedido de sair de casa ou de olhar para as pessoas, isso é um absurdo.
      Mas procure o treino de habilidades sociais, vai ajudar muito!

  31. Quando ocorre um fato lamentável de discriminação em relação a uma criança com TEA, a denuncia pode ser realizada mesmo após ter se passado meses?

  32. Olá, minha filha é autista e a minha irmã (tia dela) mandou vários áudios ofendendo a mesma, chamando ela de retardada, entrei em contato com o direitos humanos onde o rapaz preencheu várias informações e indicou que eu enviasse um e-mail a ouvidoria, enviei o email, após esse procedimento o que acontece com a pessoa? ela recebe uma intimação na casa dela? sabe se demora muito? e tem mais a mesma ainda ameaça nossas vidas dizendo que qualquer coisa que chegar na casa dela referente a uma ação.
    Aguardo resposta. Agradeço a atenção

  33. Bom dia! Recebi uma notificação do síndico por “barulhos inconvenientes” vindos do meu apartamento. O síndico e a vizinha que reclamou sabem que meu filho é autista, mas ele tem 20 anos. Entretanto, tem muita dificuldade de dormir e, às vezes, faz barulho no horário de silêncio, devido a crises de ansiedade. Gostaria de saber se podem me multar e o que posso fazer. Obrigada, Josiane!

    1. Não.
      Use o material que disponibilizamos para informar ao condomínio sobre a condição dele.
      Multar pode ser considerado discriminação.
      Caso vc seja multada, apresente uma defesa por escrito, solicitando que a multa seja cancelada.

  34. Há muitos pais usando os laudos de Autismo par justificarem sua incompetência em cuidar de seus filhos, os quais na verdade não apresentam qualquer problema de saúde, mas sim de falta de educação mesmo, tenho vário assim em minha escola e a desculpa é sempre essa: “ele é assim por causa do autismo”. Tenho 55 anos, sou autista (CID-F84.5) congênito como minha avó e nunca usei esse artifício para ser grosseiro, agressivo nem mal educado, ou obter privilégios (cotas) assim como minha finada vozinha, somos pessoas que procuramos ser melhores a cada dia e respeitamos regras legais e sociais como qualquer cidadão, temos que acabar com essa hipocrisia de que autista pode tudo dentro das escolas, inclusive impedir que os demais alunos, também contribuintes, tenham o direito ao aprendizado cerceado por indivíduos que beiram a selvageria. Quem não gostar faça uma auto análise e veja se não é porque está enquadrado nessa situação de “zona de conforto”.

  35. Boa noite …gostaria de saber se é legal, ou, se configura discriminação, o fato dessas empresas que disponibilizam espaço nos shopping centers para brincadeiras para as crianças (serviço pago), exigirem que o responsável pelo menor fique no ambiente. Salientando que a criança em questão não é agressiva, inclusive bem inserida no convívio social, e fica visivelmente constrangida com a presença do responsável em seu local de brincadeiras, visto que com as outras crianças isso não acontece.

    1. Sim, isso acontece constantemente e pode ser considerado discriminação.
      Se a pessoa com autismo tem condições de ficar sem seus responsáveis por perto, exigir isso em razão da deficiência pode ser considerado discriminação.

  36. Olá , sou mãe do Cris autista de nível leve . Eu acho q estamos passando por um grave preconceito em relação ao autismo do meu filho .
    Pra resumir e tentar expor a situação aqui vou relatar alguns acontecimentos …
    Meu filho perdeu o pai pro covid o ano passado , conforme minhas condições pagava consultas particulares ,neste meio tempo ficamos três anos na fila do neuro e pra conseguir está consulta tive q fazer uma reclamação no ministério público ( tenho todos os pedidos pelo SUS e toda os documentos q comprovam ) meu filho teve acompanhamento de segundo professor desde a primeira infância , mesmo sem diagnóstico já demonstrava suas dificuldades. Foi diagnosticado cm 16 anos de idade. Quando o pai faleceu ele tinha 21 anos. Estamsos passando por uma pandemia pelo qual o pai faleceu ,pela reforma da previdência ,bem quando ele completou 21 anos o q tiraria seu direito a pensão se fosse o caso de pessoa deficiência no caso dele . O q acontece q não estão querendo dar ao meu filho pensão por morte ,pois o nível de autismo é 1.
    Pai do meu filho era PRF por 27 anos .
    Eu ingravidei do meu filho quando tinha 16 anos de idade. Aos quatro anos o pai do meu filho resolveu segui sua vida ,constituiu nova família onde a atual esposa tem três filhos um de cada casamento. A mais nova de menor irmãzinha do meu filho por parte de pai .A esposa e a filha de menor ficaram completamente asseguradas . Eu com um filho autista passando por discriminação por conta do seu grau de autismo fazem nove meses q estamsos correndo pra todos lado e nada se resolve . O ADM do órgão negou pq alegam q na perícia médica o grau de autismo e leve . E foi pedido tutela de urgência e negado pelo juiz por conta da aresposta da união . Fora mais um milhão de absurdos, fico assistindo vídeo e lendo sobre tudo das leis das pessoas cm TEA e a única coisa q consigo entender é q estamsos passando por uma discriminação em relação ao autismo do meu filho .
    Na resposta do ADM diceram q o autismo ele basta ser incentivado pra ter sua vida normal .isso é meio óbvio mas n pode ser usado cm critério pra tirar seus direitos .E pelo SUS q é onde estamos tendo q esperar por assistência a falta de proficonal e a demora é enorme . Todos sabemos q o tratamento pro autismo é uma corrida contra o tempo , e q infelizmente a maioridade n se sessa o transtorno e q com o passar dos anos a tendência é piorar se n ter o acompanhamento q eles precisam .meu n quis ficar na faculdade entre outras dificuldades do dia a dia em relação a higiene pessoal etc… matriculei duas vzs ele n se adaptou cm barulho e ritmo diferente em uma faculdade .A mudança de ensino médio pra faculdade deixou ele.completamente deslocado . Ele se mantém dentro do quantos cm escoliose na coluna por q fica muito tempo deitado , cm investigação de AVC pois n tem força do lado esquerdo e sangramentos essessiveis nós dois lados do nariz . Tudo isso se intensificou após a morte do pai, porém nada levam em consideração pois o estado de saúde dele se observa. somente até antes da morte do pai .
    Isso são só algumas das coisas q estamsos passando .fora todo nosso histórico de vida q n foi nada fácil .E afirmo q autismo leve e eleve n tem nada e autistas crescem …
    Gostaria de saber a opinião de vcs ,se vcs concordam cm uma discriminação neste caso ou não?

  37. Tenho Um Primo que tem autismo leva uma vida normal… Tem mulher, tratabalha… O porem que ele bebe e usa Drogas … Ele pegou a moto sem permissão e sofreu acidente deu prejuizo a minha prima … Seus pais tem Direito de pagarem o Prejuizo?

  38. Boa tarde tenho um filho de 8 anos com autismo grau leve mais de uns dia para cá está reclamando que a muito barulho na escola não.tem.como.evitsr eu posso mandar ele com um abafador ?

  39. Boa noite faz um tempo que um guarda municipal daqui do município onde trabalho comentou com um colega de trabalho . No Caso o comentário ( seu conhecido do trabalho é louco ou maluco ) sei que esse indivíduo conhece o colega de trabalho que ele comentou o que devo fazer?

  40. Boa noite, fui diagnosticado aos 28 anos e recebi um laudo com uma equipe de neuropsicologia como tendo autismo leve CID F 84.5 (antigo Asperger). Ao procurar um outro psicólogo 2 anos depois, entreguei o laudo para ele no final da primeira consulta e já na segunda consulta ele trouxe o laudo me dizendo que não achava que eu era autista, porém além disso falou que achava que meu problema era que eu não me aceitava. Peguei de volta meu laudo e abandonei o tratamento com ele há três anos atrás, me senti tão mal que não procurei outro psicólogo desde então. Atualmente só faço tratamento com médico para depressão e ansiedade. Não tinha noção na época de termos como capacitismo, gostaria de saber se ele foi capacitista. Entrei em grupos de facebook sobre autismo e aprendi muito por lá. Já deletei o número dele, perdi o contato e não desejo fazer nada pois se passou muito tempo. Só fiquei decepcionado de ter escutado isso de um profissional que trata do bem estar e da saúde mental das pessoas.

  41. Eu contratei um empresa que ministra curso de Bombeiro Mirim, no dia da contratação pedi se teriam capacitações para atender uma criança autista, me informaram que sim.
    No primeiro dia de aula meu filho foi com o seu colar mordedor sensorial que ajuda a se regular, e a instrutora dirou o colar dele por que julgou não ser apropriado ele estar de colar, e não devolveu nem no final da aula resultado ele precisou ir diversas vezes ao banheiro como fuga do ambiente.
    No segundo com apenas 1/4 do tempo de aula me foi solicitado que fosse busca-lo, pois ele estava muito agitado, (pedindo para ir muitas vezes ao banheiro), e não foi devolvido o colar mordedor dele.
    Quando cheguei ao local para buscá-lo ele ainda estava sem mordedor e a instrutora me sugeriu que aquele ambiente não era adequado para o Pedro, visto a má vontade e falta de preparo e manejo.
    Questionei os responsáveis pela conduta e neste momento fui removida do grupo de pais da turma. Ainda sem entender o que estava acontecendo, tornei a questionar se era isso mesmo, e iriam deixar de atender meu filho por que ele era autista, e a resposta que tive foi “Sra na unidade não temos um instrutor para atender exclusivamente seu filho,entendemos que o mesmo precisa de uma atenção mais profunda,mas no momento não disponibilizamos.”

    1. Isso é totalmente discriminatório.
      Não tem nem como eles argumentarem que não sabiam, visto que vc informou com antecedência.
      (ainda que não tivesse informado, não serviria como desculpa pela discriminação ocorrida)
      Caso queira, entendemos ser cabível o registro do BO, devolução do valor pago e até indenização por danos morais.

  42. Boa tarde! Não sou mãe de uma criança autista, mas deixo aqui a minha indignação referente ao que houve com uma criança agredida em uma escola particular de BH,deram um mata leão nele e depois jogaram agua na cara dele, que crianças são essas que não tem educação em casa, isso é um absurdo, cadê o amor ao proximo, só porque tem uma condição de vida boa acham que tem que fazer o que quer… tem que ser punidos e as escolas serem mais atentas a isso. tem que ter mais formas de reivindicar para que isso não aconteça jamais com as nossas crianças.

  43. Olá. Tenho 20 anos e sou autista. Todo dia tenho que pegar um ônibus para ir trabalhar. Às vezes, na grande maioria dos dias até hoje, é difícil porque está com muita gente e isso me incomoda, além do barulho e vários estímulos sensoriais desagradáveis. Algumas pessoas que também pegam esse ônibus todo dia já sabem do autismo porque eu falei e também nunca deixo de sair com a ciptea emitida na prefeitura daqui. Porém, há uns dias tem uma mulher que está tirando sarro de mim e do fato de eu usar tampão de ouvido e alguém ceder um assento para mim. Ela também debocha do meu incômodo por causa dos estímulos sensoriais… Existe alguma forma de eu me defender?

    1. Puxa, sinto muito pelo que ela está fazendo.
      Na próxima vez, informe claramente que vc é uma pessoa autista e que ela não pode tirar sarro da sua condição.
      Caso ela continue fazendo isso, vc registrará um boletim de ocorrência por discriminação.
      Espero que ela pare, mas caso não aconteça, registre o BO e anote o nome e telefone das pessoas que sempre estão com vc no ônibus e podem testemunhar o que ela faz.

  44. boa noite.
    Estou de coração partido. E sem saber o que fazer.
    Tenho uma filha de 2 anos e 7 meses laudada com autismo. Ela entrou na escola integral em maio de.2022.
    Aqui em Fortaleza o convênio hapvida deixa muito a desejar. Estou na fila há mais de 3 meses esperando vaga para o grupo TEA e iniciar as terapias.
    Então, enquanto não aparece essa bendita vaga, minha filha fica em tempo integral. Interage xom outras crianças. As professoras falam que ela é muito interessada. Quer aprender. Um amor de carinhosa. Vou começar algumas terapias particulares de acordo com o que eu puder pagar.
    Pois bem, fui chamada na escola dela pra ser informada que minha filha não poderá mais ficar em tempo integral. Só no regular.
    As desculpas da diretora foram porque a minha filha precisava estar mais com a família.
    Todos nós trabalhamos o dia todo.
    E a minha filha ama a escola. Já.aprendeu muita coisa lá. Porém a diretora foi bem sucinta.
    NÃO QUER MAIS ELA NO INTEGRAL!
    Expliquei que ela ficaria em cada com uma babá. Que na escola é melhor pra ela.
    Mas a diretora não quis nem saber.

    Minha pergunta é:
    Criança autistas tem direito à escola regular. Isso é lei. Mas é ao ensino integral? Como fica? Também tem lei?

    Lembrando que tem outras crianças autistas na escola. Mas não estou sabendo se a diretora falou com as mães.
    Senti o puro preconceito.
    Chorei horrores.

    Alguém me responde, por favor.
    Obrigada

    1. Olá
      Sinto muito pelo que está acontecendo.
      Sim, nossos filhos precisam de terapia, é essencial para o desenvolvimento deles.
      Você não precisa ficar na de espera pelo atendimento.
      O plano de saúde precisa te atender em 10 dias úteis no máximo.
      Abra uma reclamação no seu plano, anote o protocolo, logo em seguida abra uma reclamação na ANS 08007019656
      Em poucos dias eles te informarão o local onde sua filha será atendida ou liberam o reembolso para o atendimento em clínica particular.
      Independente disso, impedir que a criança fique em período integral em razão da deficiência pode ser considerado discriminação.

  45. Olá boa tarde, ontem presenciei uma atitude do me próprio irmão, ele simplesmente agrediu meu sobrinho autista, já vem se agravando com frequência essa atitudes dele, ele já tem preconceito desde ele mais bebe, meu sobrinho tem 5 anos, gostaria de saber qual atitude devo tomar por inicio.
    Sinceramente não sei mais oq fazer, só sei chorar, pq afinal é uma criança…….

    1. Com certeza isso cabe denúncia.
      Se vc não tem coragem de fazer a denúncia aberta, se identificando, pode fazer pelo disque 100.
      Infelizmente isso é muito mais comum do que imaginamos.
      Se tiver provas, gravações seria muito importante, pq normalmente a mãe qdo é chamada, até por medo, fala que o pai é muito bom e que os maus tratos não aconteceram, etc…

  46. Bom dia tenho um filho autista não verbal de 4 anos e meu irmão chamou meu filho de retardado…

    Posso denunciar ele o que devo fazer tenho somente minha mãe como testemunha que ouviu ele chamando…

  47. Prezada Doutora,

    Tenho um filho com TEA leve de 5 anos, junto com o TEA também tem TDAH, acontece que ontem estávamos toda a família em uma igreja e aconteceu uma situação constrangedora, sempre sentamos no final da igreja por ele ser bem agitado e ficar andando e correndo pela igreja, então ontem ele acendeu uma luz em uma tomada e uma senhora foi lá e desligou a luz, depois ele voltou lá novamente acendeu e a senhora voltou e apagou no mesmo instante. Saímos do lugar onde estávamos sentado e fomos para outro, com muito custo e muita confusão pois ele não aceitou sair de onde estava e iniciou uma crise nervosa lá dentro que conseguimos controlar, acontece que essa mesma senhora já nos chamou a atenção alguns meses atras por ele ser “bagunceiro” e eu já havia explicado ela da situação dele, mas mesmo assim ontem houve essa triste situação. Daí fiquei na dúvida se isso é passível sim de registrar um BO, pois por mim eu tinha registrado ontem mas minha esposa não quis mais confusão

    1. Primeiro, sinto muito pelo que aconteceu.
      Jesus nunca discriminou ninguém e nunca concordaria com isso.
      Vale a pena chamar o pastor, bispo, padre (não sei quem é o líder desta igreja) e relatar o que aconteceu.
      Informe que caso isso aconteça novamente, vcs tomarão as devidas providências.
      Dica: evite sentar perto de tomadas, a maioria acha muito legal ligar a desligar a luz.

  48. Boa tarde. No caso da escola. meu filho de 9 anos autista, entrou em crise pq não foi avisado que a professora auxiliar não estaria. Então quando ele viu a outra professora entrou em crise, e quando foi tentar conte- lo ele mordeu a mão dela. Me ligaram da escola pedindo pra ir busca- lo . eu perguntei pq . a moça disse que ele não queria ficar na sala. meu marido foi, quando chegou lá a diretora relatou o caso. meu marido conversou com ele e ele pediu desculpa pra profe. Quando ele disse que queria ir pra sala pra não perder aula a diretora falou que não. Que pra ele apreder que fez coisa errada que o melhor era ele ir pra casa. E meu esposo tentando evitar uma nova crise pq na cabeça dele, já tinha pedido desculpas e estava tudo bem. Mas a diretora usou como forma de puni-lo não deixando ele entrar na sala. Meu esposo voltou com ele pra casa… mesmo ele chorando pq queria ficar na escola. teve uma crise em casa pq queria ter assistido aula. gostaria de orientação sobre esse caso. Pois achei discriminação e que foi usado pra puni-lo.

    1. O desconhecimento real do autismo é a base de tudo isso.
      Pode procurar a secretaria de educação para eles intervirem nesse caso.
      Peça para que a escola te avise qdo a professora auxiliar não for, assim vc pode evitar de mandá-lo e desencadear uma nova crise.

  49. tenho um filho adolescente autista que ultimamente vem sendo coagido a fazer educação física na escola e quando ele se recursa recebe ameaças de perder pontos e reprovar,ele não gosta tem crises quando t que fazer,como posso agir???

    1. Para ele se eximir de fazer educação física é necessário documentar esta incapacidade dele através de laudo médico ou terapêutico.
      Dessa forma vc documenta e ele não será coagido.

  50. Olá, então eu tenho um irmãozinho de 10 anos de idade e ele mora com minha mãe,as professoras dele já mandaram várias vezes minha mãe ir atrás de médicos e psicólogos por causa das dificuldades dele.
    algumas das vezes os médicos disseram que era autismo mas minha mãe não aceita.
    o caso pode piorar mais afinal ele não tem acesso a tratamento e pior ele tem dito dificuldades com bullying na escola por causa do jeitinho dele,eu ja falei com ela mas ela não me escuta e acha que eu falando isso quero dizer que meu irmão é algum louco😢 eu não sei mais oq tentar… tem algo que eu possa fazer?

    1. Puxa Hellen, que bom que vc tem a percepção que autismo não é loucura.
      Muitas pessoas não conhecem o autismo de verdade e sua mãe provavelmente seja uma delas.
      Vá explicando pra ela sobre autismo, mostre pessoas autistas.
      No nosso instagram, tem muitos vídeos do Gabriel, talvez ajude ela perceber que autismo não é loucura.

  51. olá boa noite!
    Temos um casal de vizinhos que mora em cima do nosso apartamento. No começo ela mandou meus filhos calar a boca pq ela queria dormir as 16h, dps veio bater cabo de vassoura no chão, usar o secador de alho dps das 23h jogar algo parecido com esferas no chão qd os meus filhos já estavam dormindo. Acusou meus filhos de arranhar o carro deles( tenho q passar na garagem segurando eles pra não encostar no carro) e agora colocaram uma câmera de segurança sem autorização do síndico ou de quem quer que seja
    O que fazer com estes vizinhos? ( tem mais coisas, não da pra escrever td)

    1. Pode procurar uma delegacia, isso é discriminação.
      Seus filhos tem direito de brincar, andar pelo estacionamento.
      Ela precisa respeitar a lei do silêncio.
      Formalize reclamação com a administração do condomínio, ela pode ser multada.

  52. meu nome e Silvia preciso de uma ajuda estou desisperada sou de Ribeirão preto sp tenho um neto autista que a mãe estava machucando e maltratando e fui procurar pedir a guarda deles e do irmão que não e altista aconteceu que o juiz me deu a guarda provisória aí a mãe invez de fazer a defesa dela começou a me acusar de coisas que não fiz com meus netos e ainda saiu falando mau de meu cônjuge e assistente sociais e conselho tutelar me maltrataram e ainda fizeram denuncia contra minha pessoa e de meu esposo sou mãe de 10 filhos e nove vivos 03 especial e 02 moram comigo eu e meu esposo jamais faríamos algo com os bebês eles com 02 meses em minha residência os dois bebês engordaram e o altista tirei chupeta fralda e mamadeira com horário de dormir e comer sem contar tomando banho enquanto na casa deles a mãe dava comida gelada feita a mais de uma semana leite azedo e remédio para o altista dormir e com ela não tomava banho fedendo mijo noite e dia com roupas sujas dia e noite sendo que em meu poder dormem todos os dias ao menos 9 horas por dia agora o juiz revogou a minha guarda porque mudou de juiz agora está na mão da infância e juventude e o mesmo não sabe que o conselho tutelar tomou eles de mim e deu para o tio que e meu filho que e dependente químico e mesmo a mãe ter sido tirada na disputa da guarda deles que está ficando com os dois e a mãe gostaria de saber que órgão procuro para tentar reverter

    1. Oi Silvia
      Sinto muito por tudo isso, mas é um processo, não posso me manifestar, converse melhor com seu advogado, documente tudo pra ele.
      Se vc não tiver advogado, pode solicitar na Defensoria Pública que atende gratuitamente.

  53. Olá! Bom dia. Eu sou terapeuta ocupacional e tenho uma clínica multidisciplinar. A minha clínica fica dentro da propriedade de um amigo que alugou o espaço para nós fazermos o nosso trabalho. Um dos nossos clientes mora muito perto do espaço alugado e nos dias que não tem às terapias quer ir ao espaço, mesmo estando fechado para receber os clientes. O amigo/sócio que aluga o espaço de vez em quando recebe aos finais de semana visitas inesperadas do cliente/vizinho, quer quer entrar e às vezes consegue mesmo não podendo. O cliente é diagnosticado com tea e tdah e acabou de fazer 18 anos. Estou tentando conversar com ele e com a família sobre os horários de funcionamento e respeito aos horários. Mas não estamos tendo muito sucesso. Poderia nos auxiliar com uma abordagem? Obrigado.

  54. Boa noite, tenho um filho com autismo e ontem fui visitar a vó dele e uma parente chegou em mim e disse que se fosse minha parente me processaria porque estaria dopando meu filho com o medicamento que ele toma respirodona e disse que eu que inventei isso,que ele não tem nada , fiquei muito mal com isso , posso processar ela? Obrigada

  55. Olá, poderia me tirar uma dúvida sobre o direito legal do autista no trabalho e de possível discriminação?

    Tenho uma namorada autista nivel 1 e ela está tendo alguns problemas de adaptação no trabalho, por vezes não tendo uma flexibilidade em seu horário de entrada e mesmo após um laudo do seu psiquiatra e psicólogo solicitando a empresa que permitisse que ela entrasse em outro horário ou que exercesse sua função de home office, ao enviar o documento para seu líder e RH da empresa essa opção foi negada à ela e perguntado se ela tinha dificuldade de locomoção (alegando que só cadeirantes ou outro tipo de pcd com dificuldade de locomoção teria acesso a esse direito) o que achamos extremamente capacitasta e desagradável, uma vez que estava descrito no laudo sobre a questão psicológica e as dificuldades que podem ser causadas por ambientes barulhentos e cheios de pessoas. Minha dúvida é a seguinte, é um direito legal o acesso do autista (independente do nível) ao Home Office e eles seriam obrigados a conceder? Caso seja, poderia entrar em um processo contra a empresa apresentando esses fatos e a negação da empresa em ajudar nessa adaptação? Agradeço sua ajuda e opinião sobre o caso, obrigado.

  56. Olá! Sou autista, nível 1 de suporte, e funcionária pública. A prefeitura negou meu pedido de redução da carga horária e readaptação. Eles insistem que sou autista nível 1, tenho pós graduação e portanto sou capaz de suportar o barulho da escola, iluminação, interagir com muitas pessoas… Minha maior dificuldade é sensorial, mas não aceitam isso e falam que não quero trabalhar! Sendo que eu não consigo ficar 8 horas diárias com 1 aluno por vez dentro de sala de aula com mais 30 alunos, devido a ter crises sensoriais.
    Até o médico do trabalho diz que consigo suportar porque sou autista nível 1! Claramente entendem que os níveis não são de suporte, mas como um pódio. Isso pode ser denunciado como discriminação e preconceito?
    Obrigada 😃

  57. eu fui ao banco com meu filho .ele com o crachá de identificação.ao entrar no banco meu filho brincava de ficar rodando e isso incomodou um dos gerentes que parou o atendimento pediu pra que eu contese meu filho amarrá-lo. eu pedi desculpas mais o gerente novamente parou seu trabalho e se levantou e novamente pediu pra eu conter o meu filho que ele estava danificando o banco e estava o encomodando .pediu que eu me retirasse prq só ia continuar o atendimento Se eu saísse com meu filho as pessoas pediram então pra que ele me atendesse logo pós eu teria direito a ser logo atendida. o gerente gritou que só ia atender as pessoas se eu saísse com meu filho que estava o encomodando rodando ,e que não existe lei nenhuma que priorize atendimento a crianças assim .que era pra eu sair que banco não era lugar pra ele levar ele já que ele é doente ..eu chorei muito .fomos parar na delegacia. .mais na delegacia me informaram que as pessoas só seram chamadas após ali era só pra comer os fatos. oque acontece agora .

  58. bom dia!
    tenho um filho autista de cinco anos, há alguns dias uma vizinha, mesmo sabendo do diagnóstico dele, me questionou que estava ouvindo gritos e que se sentia na obrigação de fazer uma denúncia por maus tratos, ontem mesmo meu filho começou com um episódio de gritos por causa de um brinquedo que caiu no quintal ao lado e o vizinho não estava no momento pra eu pedir… ela já passou em frente ao meu portão “observando”. o que devo fazer? estou me sentindo impotente diante dessa situação. desde já agradeço!

    1. Entregue pra ela o comunicado que está nesse artigo.
      Não se preocupe com denúncia, vc sabe bem oq faz e que não maltrata seu filho.
      Ela provavelmente está querendo de intimidar.
      Caso não pare, vc pode registrar um BO por discriminação.

    2. Boa noite, tenho uma filha autista de 4 anos que estuda em colégio público, ela começou apresentar alterações no comportamento no ambiente escolar com agressividade, fiz todo o procedimento de conversar com os professores, direção escolar,médicos e terapeutas que informaram que era uma reação a algo em sala de aula, inclusive o médico até voltou a medicação que ele já havia feito o desmame porém os comportamentos diminuíram mas praticamente todos os dias ainda recebo reclamação das professoras e quando pergunto o porquê ela bateu elas dizem que foi do nada, não conseguindo entender o que desencadeia tal comportamento coloquei um gravador na mochila dela e acabei registrando áudios em que uma das professoras chama as crianças de perturbadas, outra diz para as crianças não ficarem perto da minha filha pois ela bate, e gritam bastante em sala de aula, a escola conhece todo o histórico da minha filha, já conversei com eles diversas vezes mas o problema continua, gostaria de saber o que fazer, levo esses áudios para a direção, denuncio a polícia, secretaria de educação?

  59. O que fazer quando os pais de um autista não manda a criança para escola e nem oferece as terapias necessárias para o desenvolvimento deste infante?

  60. Sou monitora de um autista de 4 anos não verbal. Tive dois incidentes na escola, na primeira vez a pessoa que é vice- diretora e coordenadora da escola falou que “a presença do autista no refeitório não era importante pq ele não ficava com os colegas e não comia”, achei muito vexatório e acabei alterando a voz e disse que não aceitava esse tipo de coisa, pois trabalhamos todos os dias para que ele seja incluído em tudo, para que ele possa acompanhar, permanecer e comer com os demais colegas (já tivemos grandes avanços nisso pois ele já acompanha, permanece e na grande maioria das vezes aceita o que é oferecido para comer). Agora nós últimos dias tínhamos comemoração na escola e outra vez senti que ele foi esposto de forma vexatória perante os demais alunos da escola, pois durante a execução do hino estadual ele deitou e ficou ouvindo, em frente a bandeira. Logo após o término da execução do hino a mesma pessoa vice-diretora disse para todos fazerem igual o autista e deitarem no chão para se divertirem. Novamente me alterei e disse que a criança não servia como diversão para ninguém, que ele é dessa forma e ninguém deve copiar o jeito dele. Isso pode ser considerado como desrespeito ou discriminação? grata

    1. Obviamente isso é discriminatório.
      Pode registrar um BO contra essa senhora e informe aos pais sobre oq está acontecendo.
      Obrigada por se indignar com isso, infelizmente, muitos vêem e se calam.

      1. Meu filho tem 6 anos, autista Verbal…
        Ele ama piano e o sonho dele é tocar.
        Ele assiste muito vídeos de piano, e por indicação de uma amiga achei uma escola de música, porém a professora não quis dar aula pra ele pois disse poderia dar aula pra ele… Nesse caso é uma discriminação, ou ela está certa?

        1. Talvez ela ache que não consegue dar aula para uma pessoa autista.
          Fale pra ela tentar, ela nem sabe como será…rs
          Vale a pena conversar melhor, vocês podem se oferecer pra ficar junto durante a aula, isso pode trazer mais segurança pra ela.

          1. Dra Carla, meu filho esses dias teve uma crise e arrumou uma confusão na escola, ainda em crise ele ameaçou a diretora de morte, imediatamente conversamos com ele e marcamos uma consulta com a equipe que atende ele, só que não contente essa diretora nos ligou ameaçando de processo e que vai confeccionar um boletim de ocorrência e processar. Estamos sem saber o que fazer, apesar de já termos conversado com a diretora para tranquiliza- lá. Isso é uma ameaça por parte dela, parece que ela não sabe lidar com ele.

          2. Imagino que ela esteja com medo e por isso ameaçou vocês.
            É uma situação complicada, mas com a ajuda dos terapeutas tudo vai se resolvendo.
            Continue tranquilizando ela, mas se ela registrar o BO, vcs vão contextualizar tudo junto à delegacia.
            O mais importante é ele estar sendo acompanhado para que as crises não ocorram mais.

Deixe um comentário